“Cada pessoa tem a sua historia. - Cada pessoa tem uma familia. - Cada familia tem origems. - Você não é apenas o que você imagina que é!"


sábado, 24 de setembro de 2011

Avenida Paes de Barros, Mooca, Historia em Sao Paolo

A Avenida Paes de Barros

na São Paolo, é um símbolo da memória e do desenvolvimento. A conhecida avenida no bairro de Mooca guarda fatos importantes em suas origens.

tem o nome do fazendeiro Rafael Aguiar Paes de Barros.

(Attenção: Ele tive um primo do mesmo nome que casou com Anna Leopodina de Oliveira Lopes. Este primo  foi filho do cap. Chico, Francisco Xavier Paes de Barros e de Rosa Aguiar, e irmão do barão de Tatui.) 
AVENIDA PAES DE BARROS, Sao Paulo



O protagonista 


Rafael de Aguiar Barros

Ele foi filho de Bento Paes de Barros, Barão de Itu, e Leonarda de Aguiar ( 4°s avós de Tiffany), Rafael Aguiar Paes de Barros tinha posse de várias terras que se estendiam da Vila Prudente até a Alpina. Foi casado com sua prima Francisca de Azevedo de Barros (neta de Dr. Miguel Antonio Azevedo Veiga e Escholastica Joaquina de Barros, que foi irmã do Barão de Itu)

l

De um encontro que reuniu no salão do Club Paulista, na antiga rua do Rosário, ilustres representantes da sociedade paulistana da época, o nome de Rafael Aguiar Paes de Barros se sobressaiu como idealizador do Clube de Corridas Paulistano. A ata dessa reunião foi redigida por Antônio da Silva Prado, neto do Barão de Iguape e filho de Dona Veridiana – o futuro Conselheiro Antônio Prado. 

A primeira competição aconteceu em 29 de outubro de 1876, com animais trazidos do Reino Unido e da França, que eram criados na fazenda Paes de Barros. Para atender a demanda do público, foi inaugurada uma linha de bonde com o percurso Mooca-Centro. O espaço foi importante para a popularização do bairro, por ter sido ponto de encontro da elite paulistana e dos barões do café, apostadores assíduos; o turfe permaneceu até 1941, quando foi transferido para Cidade Jardim; atualmente, no local está situada a Subprefeitura da Mooca. 

A primeira corrida oficial do Jockey Club de São Paulo aconteceu em 29 de outubro de 1876, no Hipódromo da Mooca, na rua Bresser. Com direito a apresentação de banda de música e presença de um grande público. Os dois únicos cavalos inscritos, Macaco e Republicano, tiveram a honra de inaugurar as raias instaladas nas colinas da Zona Leste da Capital. Apesar do favoritismo de Republicano, Macaco levou o primeiro prêmio da Província.



Vários foram os fatos que ajudaram a construir a história do Jockey Club de São Paulo. Uma das grandes passagens se deu em 10 de julho 1877, quando ocorreu a primeira vitória de um cavalo tendo uma mulher como proprietária. O animal vencedor foi Corisco, pertencente à Maria Domitila de Aguiar Castro, filha de Brasilico de Aguiar e neta paterna do Brigadeiro Rafale Tobias de Aguiar e da Marquesa de Santos. Maria Domitila foi prima em 2° grau de Rafael Aguiar Paes de Barros (o Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar foi irmão de 4a avó de Tiffany : Leonarda Francisca de Aguiar a mãe de Rafael Aguiar Paes de Barros. 


Atravessando altos e baixos causados pela Abolição dos Escravos, Proclamação da República e, mais tarde, com as Revoluções de 24, 30 e 32, o Jockey Clube sofreu sucessivas suspensões de suas corridas, mas, mesmo assim, foi se firmando dentro da rotina e da história da cidade de São Paulo. Foi de lá, também que, em 28 de abril de 1912, levantou vôo o aeroplano pilotado por Edu Chaves que ia tentar pela primeira vez fazer o percurso Rio-São Paulo via aérea. Já em 1920 passa a ter a capacidade de abrigar 2.800 espectadores e, em 1923, é criado o Grande Prêmio São Paulo, até hoje uma das disputas mais importantes do turfe brasileiro.


Rafael de Aguiar Barros nasceu o em Itu em 28.12.1835. Foi filho de Bento Paes de Barros (futuro barão de Itu em 12-10- 1846) e Leonarda de Aguiar. 
Foi irmão do ,Dr, Antonio de Aguiar Barros, futuro Marquês de Itu, - Gertrudes Aguiar Paes de Barros  (trisavó de Tiffany) - Dr. Francisco Xavier de Aguiar Barros - Leonarda de Aguiar, e Anna de Aguiar Barros.

Após os primeiros estudos em Itu, transferindo-se para São Paulo, matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo onde se tornou bacharel em direito no ano de 1858. Nesta mesma época seu pai o envia para a Europa, mais precisamente para a Inglaterra, onde a intenção era a de buscar modificar o extremismo político do jovem Rafael.  
De lá ele acaba voltando entusiasmado com as corridas de cavalo, muito em alta na Inglaterra, e a história do Jockey Club de São Paulo tem então o seu início com o Clube de Corridas Paulistano.

Casou em 28.4.1863 com sua prima, Francisca Azevedo na casa de sua tia Escolastica Joaquina de Barros. Escolastica Joaquina foi avó de Francisca,esposa e prima de Rafael. (Escolastica Joaquina, irmã do barão de Itu,foi casada com Miguel Antonio de Azevedo Veiga, ouvidor geral. Tiveram um filho, Miguel, casado com Candida de Campos, pais da jovem Francisca de Azevedo ..
No ano de 1875 na cidade de São Paulo fundou o Hipódromo Paulista, onde mais tarde no ano de 1871 passa-se a ser chamado de Jockey Club de São Paulo.
Rafael de Barros além de fundador do Jockey foi também o primeiro presidente do clube, vale ainda salientar que este 1a sede do Jockey Club de São Paulo foi construído em terras de sua propriedade, localizadas no bairro da Mooca.
Devido à enorme paixão pelo esporte e principalmente pelos cavalos Rafael foi o iniciador da criação de cavalos puro sangue inglês na cidade de São Paulo.
Outro fato marcante na vida do Dr. Rafael de Barros era que ele apoiava o abolicionismo, do qual participou e assinou a famosa decklaração da Convenção Republicana de Itu em 1873..
Em sua homenagem a cidade de São Paulo denominou como um símbolo da sua memória e do desenvolvimento. a conhecida avenida no bairro de Mooca: A Avenida Paes de Barros . -


Na cidade de Leme foi proprietário da Fazenda São Rafael, local este o qual ainda hoje mantêm o seu nome, porém sem ter mais sua bela sede e seus mais de um milhão de pés de café distribuídos pelos seiscentos alqueires do local. Plantio e colheita do caféque l teria aprendido a cultivar com seu tio o Barão de Piracicaba, grandes nomes do café no Brasil.
Dr. Rafael é homenageado pela cidade de Leme tendo seu nome em uma das incipais ruas da cidade, a qual ficou carinhosamente conhecida como “Rafael”.


Dr. Rafael de Aguiar Barros, filho do barão de Itu Bento Paes de Barros e de Leonarda de Aguiar, irmã do brigadeiro Raphael Tobias de Aguiar.
Francisca de Azevedo Barros, filha de Miguel Antonio de Azevedo Barros e Candida de Campos Barros, prima e esposa do Dr, Rafael de Aguiar Barros. 

foto famila.
da esquerda; Francisca Azevedo de Barros com Rafael de Aguiar Barros, (tio-trisavõ de Tiffany)
ao centro : Leonarda de Aguiar, esposa do barão de Itu, pais de Rafael e Gertrudes e 4a avó de Tiffany,
seguem o barão de Tatui, marido de Gertrudes (trisavós de Tiffany ) o barão de Tatui, Francisco Xavier Paes de Barros foi sobrinho e genro de Lenoarda de Aguiar, primo de Rafael de Aguiar e marido de Gertrudes (a direito), filha de Leonarda e irmã de Rafael. 

Dr. Rafael de Barros e Francisca de Azevedo de Barros tiveram 14 filhos  e procuro mais informaão sobre eles e seus descendentes, meus primos :
  • Lucia c/c Joao Penna Firme, 
  • Fabio c/c Sylvia Almeida
  • Cassio, 
  • Silvio 
  • Olavo, c/c Angelina 
  • Lavinia,c/c Antonio de Mesquita de Barros
  • Annibal c/c Hortencia ?
  • Mario c/c Maria Egydio de Souza Aranha
  • Izabel c/c Ernesto Vidigal
  • Maria c/c Francisco Fernando (III) de Barros (o tio de Francisco Fernando III foi o pai de Salto : Francisco Fernando Paes de Barros casado com Maria Alexandrina de Barros. com descendentes em Jau do ramo Jose de Barros Penteado....)
  • Candida c/c Dr. Fernando de Sousa Barros 
  • Raphael filho 
  • Francisca.c/c Francisco Xavier Paes de Barros III  (advogado e irmão do meu bisavô Bento, filhos do barão de Tatui. )
  • Leonarda c/c Max Erhart. parece que um dos seus filhos ( Renato, irmão de Max !)) casou com uma filha de Francisco, o irmão do meu bisavô Bento.
Rafael de Aguiar Barros foi sepultado na cidade de São Paulo, no Cemitério da Consolação.