“Cada pessoa tem a sua historia. - Cada pessoa tem uma familia. - Cada familia tem origems. - Você não é apenas o que você imagina que é!"


terça-feira, 26 de julho de 2011

Os Paes de Barros em São Paolo Imperial

Este artigo escrito por Eudes Campos no "Informativo do Arquivo Histórico Municipal", explica em grande detalhe a história dos nossos antepassados ​​em São Paulo. Um deve lê-lo.
Aproveite!
As pesquisas desenvolvidas sobre a história urbana e a arquitetura da cidade de São Paulo no período imperial levaram-nos a reparar na presença crescente, e cada vez mais atuante, de destacados ituanos na capital paulista, a partir do último terço do oitocentismo.

O funcionamento da ferrovia de Santos a Jundiaí, iniciado em 1867, e a construção dos ramais ferroviários ligando Jundiaí a Campinas (1872) e a Itu (1873) propiciaram a rápida expansão da cultura cafeeira pelo Oeste da Província e facilitaram em muito a vida dos fazendeiros do interior. Na década de 1870, a economia agroexportadora paulista ingressava em sua etapa capitalista – o preço do produto sendo dado desde então pelo agricultor e não mais pelo intermediário, o comissário de café – e os grandes produtores que começavam a se transferir para São Paulo, já suficientemente imbuídos de mentalidade burguesa, puseram-se a aplicar seus excedentes de capital em empreendimentos urbanos de variada natureza, tornando-se assim responsáveis pela rápida transformação econômica, social e física da cidade.

A partir daqueles anos passou a ser, portanto, possível para os cafeicultores desfrutar uma vida urbana mais amena em São Paulo, sem perder o controle do trabalho das lavouras e da comercialização do produto. Os agricultores não só participavam de diferentes atividades empresariais, inclusive negócios imobiliários na Capital, como também, a partir daí, seguiam o andamento da faina nas fazendas, acompanhavam os negócios das casas comissárias estabelecidas em Santos e fiscalizavam o embarque das sacas nas docas do porto dessa cidade; exerciam ainda pressão política sobre o governo da Província e os deputados na Assembléia, além de poderem levantar crédito nos estabelecimentos bancários estabelecidos na Paulicéia, sempre que necessário.

Certamente era esse tipo de vida que pretendia levar um dos maiores e mais antigos produtores de café da época, o Capitão Antônio Pais de Barros (1791-1876), 1º Barão de Piracicaba (1854), um dos fundadores da cidade de Rio Claro (1827), quando, já idoso, decidiu transferir-se para São Paulo por volta de 1870. Com ele vieram filhos, genro e sobrinhos, que logo alcançaram cargos de destaque e posições de prestígio na sociedade paulistana daquele tempo, passando a manejar o poder político e o prestígio social que detinham das formas mais variadas, e dando início a um processo de migração das elites paulistas para a Capital que se prolongaria por décadas.

Salvo engano, a família Pais de Barros não foi até hoje objeto de estudo aprofundado por parte de nenhum historiador, ao contrário de seus rivais, os Silva Prado, e em nossa opinião urge reconstituir a saga familiar desses ituanos, que por um longo período de tempo dominaram a sociedade, a política e a economia paulista, alcançando um de seus membros o cargo executivo de maior expressão do País durante a Primeira República.
                          por Eudes Campos               





Clica e leia aqui todo o artigo sobre os nossos avós:
Os Paes de Barros na São Paolo Impérial